Uso do Índice do Estado Trófico para a determinação da interferência da OAE no leito do rio Jundiaí



Introdução


A implantação de empreendimentos rodoviários, industriais ou de qualquer outra natureza potencialmente capaz de causar alterações e adversidades à qualidade da água e aos demais componentes da biota aquática envolvidos.

Por isso, as intervenções construtivas das Obras de Arte Especiais (OAE) provocam intervenção no meio aquático que resultam em impactos ambientais. Assim, é primordial a Supervisão e Gestão Ambiental eficiente, preventiva e mitigatória para amenizar esse impacto.

A nossa equipe encontra-se atenta a todos os fatores que interferem no meio ambiente. Ao Supervisionar o leito do rio Jundiaí, o qual cruza a duplicação da BR304/RN – Reta Tabajara, observamos um aumento da quantidade de algas no curso do rio, diferindo de sua condição natural, sendo isto, um indicativo do início do processo de Eutrofização visível no curso hídrico.


O Desafio


O estado de trofia in loco identificado pela nossa equipe, demostrou o início do processo de eutrofização, vale salientar que a eutrofização ocorre por um desequilíbrio no corpo hídrico, por meio natural ou intervenção humana, assim, seu tempo de concretização é moroso.

Segundo a Agência Nacional de Águas – ANA, a eutrofização se caracteriza pelo aumento da disponibilidade de nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio nos corpos hídricos.

A proliferação de algas aquáticas, a turbidez da água e a não visualização de fauna aquática ao longo do leito do rio. Essas macrófitas aquáticas formam uma barreira de biomassa a qual bloqueia a luz solar e, quando em decomposição, retira o oxigênio dissolvido do meio líquido, podendo levar a morte da fauna aquática.

Assim, um ambiente em trofia possui um desequilíbrio nutricional, dado pela multiplicação excessiva de matéria vegetal (algas), que em sua decomposição provocam danos com a diminuição do oxigênio dissolvido no ambiente aquático.


A Solução


É notório que a construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos rodoviários são consideradas atividades potencialmente poluidoras e capazes de causar degradação ambiental (DNIT, 2008).

Visando gerir de forma eficiente e mitigatória a Zago Consultoria executa campanhas quadrimestrais de análise dos parâmetros físico-químicos do rio, supervisão diária do trecho em intervenção e acompanhamento dos passivos ambientais gerados.

Buscando identificar o nível de trofia do corpo hídrico nossa equipe fez os comparativos das análises, aplicação do Índice do Estado e auxílio da ferramenta de gerenciamento IVUUP.



UAU ZAGO


Nosso time busca a análise abrangente do meio ambiente para a nossa gestão, buscando sempre inovações e diferencias em suas análises, com isso atendemos e alcançamos a satisfação dos nossos clientes.

Para a averiguação do nível de eutrofização do corpo hídrico, utilizamos o Índice do Estado Trófico que classifica o grau de trofia nos corpos d’água, assim avalia a qualidade da água quanto ao excesso de nutrientes e suas consequências sobre o efeito do crescimento excessivo das algas ou aumento da infestação de macrófitas aquáticas.

Assim, os resultados são calculados a partir do valor do fósforo, sobre o entendimento de uma medida do potencial de eutrofização, já que este nutriente atua como o agente causador do processo. Os valores do IET são classificados segundo classes de estados tróficos, juntamente com suas características.


Processo de eutrofização intensificado ao longo dos dias no leito do rio Jundiaí.

Leito do rio com características de trofia.

Resultados


O Índice do Estado Trófico implantado demonstrou que o nível de trofia do rio Jundiaí, desde a campanha de background até a campanha extra, varia entre oligotrófico - Corpos d’água limpos, a eutrófico - Corpos d’água com alta produtividade em relação às condições naturais. Sendo o estado oligotrófico o identificado nessa indagação.

O Monitoramento preventivo da nossa equipe identificou o problema em seu início de instalação, o qual não pois em risco a fauna aquática e nem tão pouco o corpo hídrico. O que comprova a eficácia dos nossos serviços, a mitigação máxima dos impactos ambientais gerados e o conforto dos nossos clientes.


Conclusão


As obras de duplicação da BR-304/RN possuem etapas construtivas ao longo da sua implantação , mas a Supervisão e Gestão executada pelo Grupo Zago garante a eficácia da preservação ambiental com medidas eficientes e preventivas.